terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Uma mãe atrapalhada...

Vale mais meter-se no trotil! Ao menos as coisas que faz têm uma razão de ser...

Ida ao multibanco. Lá fomos a pé porque de carro ganhei receio e depois o põe ovo, tira ovo, põe ovo, tira ovo é demais para a minha cabeça!

Aqui o multibanco é dentro do banco e a porta parece aquela pequenina da loja Imaginarium daí que entrar eu (que ainda estou gorda que nem uma lontra), tu e o carrinho, mais a carrada de malas que levamos com as tuas tralhas e as minhas (que no fundo são mais que as tuas) é o caos. Pelo que ficaste ali entre a porta a apanhar solinho - um pé meu em cima da roda do carrinho para te ir abanando pois só de cu tremido é que estás bem - enquanto eu tratava dos pagamentos. Nisto lembro-me que tinha ainda uma carta dentro da mala mas que a mala está do outro lado do carrinho, tentei esticar-me mas não cheguei. Vá de puxar o carro, malas e malinhas. Tudo entalado na porta. Puxa novamente. Torce daqui. Torce dali e a coisa dá-se! De repente ouço um barulho assim conhecido. De um cartão a ser inserido na máquina. Olho rapidamente para o ecrã do multibanco e este está vermelho. Uma mensagem: 


*Tempo excedido. Para sua segurança, o seu cartão foi retido.*


-  QUAL SEGURANÇA, PAH?????????????????????? 'TOU NO MEIO DE UMA ALDEIA NO CU DE JUDAS, NÃO SE PASSA AQUI NADA!!!!!!!!! DÁ CÁ ISSO!!!!!!!! COSPE-TE!!!!!!!!!!!!!!!!!! F***-**!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! #$%&!!!!!! #&%$!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Mas o fulano não cuspiu!

Tento entrar para a zona dos balcões para falar com o bancário. Novamente entalada. Puxa. Volta a puxar. Torce daqui. Torce dali. Carrega no botão mas a porta só abre se a outra fechar e ela não fecha. Vendo a minha atrapalhação toda o senhor abre a porta.

Lá lhe expliquei que o cartão tinha sido engolido porque tinha excedido o tempo enquanto eu procurava uma carta na mala e precisava dele, patati, patatá! 

- Ah tem de entrar em contacto com o seu banco para nos enviar um fax dando autorização para que lhe possamos entregar o cartão!

(Really?!)

- Mas o senhor viu!!! Foi agora mesmo!!!

- São as normas...

- Ok. Vou tratar disso então.

Tento sair do banco. Torce daqui. Torce dali. Puxa. Puxa. Puxaaaaaaaaaaaa...

Na rua telefono ao meu banco, que depois de tudo explicado trata de enviar o fax à concorrência. No meio disto aproveitam para me dar uma descasca que a minha conta ainda é de menor e preciso de alterar isso, que tenho de lá ir pessoalmente àquela sucursal (sim e vou fazer 250km para mudar de conta...) pois que com 25 anos é uma vergonha ter uma conta assim (isto acrescentei eu).

- Com certeza. Fique descansado assim o farei. (Mal tu sabes que já ando a dizer isto desde os 18 anos).

Volto novamente ao outro banco. Torce daqui. Torce dali. Puxa. Puxa. Puxaaaaaaaaaaa... Entalada. Desisto e bato no vidro. O senhor faz gesto com a cabeça como quem diz "Que queres?" e eu lá gesticulei para abrir a porta. 

- O meu banco vai já enviar-lhe o fax! - disse-lhe com uma certa esperança na voz.

- Muito bem! (como se diz a um tolinho que encaixou a peça no respectivo buraco)

E eu feita parva à espera de mais qualquer palavrinha que ele decidisse dizer. Mas não disse. Rendi-me.

- Venho cá amanhã, não é? 

- Sim. Das 13 às 14 estamos encerrados não se esqueça.

- Correcto. (E afirmativo)

Rodo nos calcanhares. Torce daqui. Torce dali. Puxa. Puxa. Puxaaaaaaa....







10 comentários:

Gaiatas disse...

É mesmo para nos passarmos... grrrrrrrr.
Como te compreendo!
Sair de casa chega a ser cansativo, é verdade.. agora imaginas morares numa aldeia onde não há nada, nem um MB, e teres de ir à vila (a 5km) levar\buscar a gaiata, ir às compras\banco ... é um stress diário!

Beijoca *

Pobre(o)Tanas disse...

Aiiii imagino sim!!! Esta tem Mb porque enfim... A aldeia deve ter entrado em pé de guerra com o banco - sim que isto é o oeste selvagem aqui da zona. E até tem um banquinho de pedra para nos sentarmos à espera da nossa vez AHAHAHAHAH Mas olha ao menos estamos no sossego não achas? Beijinhos!

OrquideaBranca* disse...

cruzes credo....e porem portas mais largas? bem..que coisinha mal feita :S

E qual é essa de fecharem os bancos para almoço? já não chega fecharem ao publico a meio da tarde? ontem também tive que ir ao banco e estava fechado para almoço....cambada de pastelões que não fazem uma acertada -.-' fiquei tão mas tão enervada....rrrrhhhhhhh

Pobre(o)Tanas disse...

Uma pessoa sai do trabalho e nao consegue ir ao banco. Tem de ir ao almoço... Muitas vezes nem almoça! Mas pronto é assim...

Catita disse...

Do melhor, imagino a tua atrapalhação e a de muitas mães. Aí vemos como a sociedade por vezes ainda não está preparada para lidar com certas situações. No entanto, ri-me muito, quando for comigo já não vai ser assim!!!

Nany disse...

As coisas são feitas a pensar em tudo e todos menos em mães com carrinhos de bebés e traquitanas associadas atrás.
Bjs e que o cartão chegue logo

Katy disse...

Vê as coisas pelo lado positivo: fizes-te ginástica como não fazias á muito :P a silhueta assim volta ao lugar num instante! hehehe

Pobre(o)Tanas disse...

Oh Ritinha, isto foi mesmo complicado! Tanta volta e reviravolta! E ia com o ovo, imagina se o carro fosse com a alcofa que é bem maior! Quando for contigo tu aperta-lhe os gasganetes :D Beijoca!

Pobre(o)Tanas disse...

Não pensam nas mães nem nos deficientes! É tu escadas, acessos dificeis, pessoas a estacionar no lugar deles... É o que temos! O cartao já cá está! Chiça!

Pobre(o)Tanas disse...

Esta ginástica foi só de braços e de mioleira AHAHAHAHAH