sexta-feira, 30 de agosto de 2013

Mãe badocha... Mas o que se pode fazer mais???


Semana complicadaaaaaaaaaaa.... Dores e mais dores, falta de luz em casa que ainda não foi resolvida (só temos luz numa divisão e andamos com extensões para todo o lado), muito trabalho e cansados porque as nossas férias não fizeram o trabalho delas.

Verdade, verdadinha que o esforço de Super Mãe não deu resultado e acabei nas urgências de tarde.

Diagnóstico: escoliose.

Mais medicamentos e nos dias seguintes estava de cama com as mesmas dores de coluna e a vomitar, de 5 em 5 minutos, a medicação que me fez uma reacção qualquer. Decidi não tomar mais nada e aguentar-me à bomboca. Estou francamente melhor e cuido que mais dois ou três dias estarei nova. No entanto e como a médica disse "É o início de vários episódios que aparecerão ao longo da vida". Perder peso, fisioterapia e medicação ajudarão quando as dores voltarem.

Mas hoje preciso de desabafar... Desabafar sobre o triste fado de mãe que teve a infelicidade de ficar/estar gordinha depois de ter tido bebé. O que temos de passar e ouvir de familiares, amigos, conhecidos e estranhos. Mesmo sem querermos, sem termos pedido opinião, sem conseguirmos ter uma resposta à altura de quem nada tem a ver com a nossa vida. E eu que sou uma gordinha de 1,65m com 80kg bem distribuídos, o que seria de mim com 100 ou 120kg e 1,50m...

Todos os dias ouço alguma pérola quanto ao meu peso. E eu tenho perfeita noção que estou mais redondinha, claro que sim! Tenho espelhos em casa e olhos na cara. Mas nada mais posso fazer. Se comer menos do que aquilo que como terei sintomas de anorética sem sequer emagrecer, não tenho tempo para ir para o ginásio pois não tenho a quem deixar a minha filha e qualquer minuto que tenha livre e não esteja a trabalhar é para tratar dela, acarinhar o meu homem, tratar da casa e tomar um banho.

Já fui um pedaço com 55kg, bem torneado, já fui pois! Já tive um ventre liso, lisinho para colocar piercings bonitos. O que se vê aí nas revistas já fui e talvez até melhor mas hoje não sou. Hoje estou badochinha e um corpo de mulher cansada mas tenho algo bem mais precioso: a minha filha. E não é desculpa porque é obvio que ninguém gosta de estar gordinho mas sei que fechar a boca como o médico me mandou - sem me conhecer de lado algum enquanto eu falava com a médica que me atendia - não dá resultado pois já o faço há meses e continuo na mesma a oscilar entre os 79/80/81... Tenho dias de fazer apenas duas refeições (sei que não é bom) e nem mesmo assim emagreço um grama que seja.

Mas o que mais me custa é ouvi-lo da boca de familiares. Sorrio, engulo em seco e tento não pensar nisso. Estas férias tive de comer às escondidas para não andarem a ver o que comia mas estava cheia de fome e tinha um bebé para amamentar!!! Escondida para não apontarem para o meu prato e dizerem que não devia comer a única meia batata cozida que lá tenho e no fim ouvir "Sobrou tanta comida, não queres mais??? Comeste tão pouco!!!..." DECIDAM-SE!!! Escondida para não ouvir o meu pai dizer que sonhou que eu era uma daquelas americanas obesas que nem conseguiam sair da cama rodeada de pacotes de bolachas e batatas fritas! 

Não posso cortar em mais nada! Só como frango e peru cozidos ou grelhados! Como massa ou arroz quatro vezes por mês (um diferente a cada semana), tenho abusado nas saladas, legumes, mantido a boca longe do pão mais do que uma vez por dia e com fiambre de frango. Só como tostas integrais se a fome atacar (que raramente ataca) e sem nada. Tenho bebido litradas de água e mais um bocado passo por boca de incêndio... A única coisa que não prescindo é da minha torrada e do meu copo de leite com chocolate de manhã e claro o sushi do meu homem à sexta à noite. Isso nem que eu tivesse o peso de um mamute! Mas PORRA!!! Como mal??? 

Tenho dias que me sinto tão triste e nem é pelo peso porque esse tem o seu porquê e a razão é a melhor do mundo: a minha Eva, mas pelo que ouço seja directa ou indirectamente...

E pronto...

Tem sido assim :(



(Imagem da Web)

Eu e a cria...








segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Quando se é mãe...


Tudo se pode!

Na sexta passada fui parar ao hospital. Diagnóstico: lombalgia aguda. Muita medicação intra venosa e oral e coisa está um pouco (MUITO POUCO) melhor... Mas esteve negra. Muitas dores - parecia que estava em trabalho de parto novamente - e uma sensação de impotência danada sem conseguir mexer, andar ou pegar num simples objecto leve que não me viessem as lágrimas aos olhos.

Ontem decidimos que a pirralha iria para a escolinha para eu descansar o máximo que pudesse visto que o pai iria trabalhar. Não fiquei lá muito feliz pois na minha cabeça se um de nós está em casa a piolha deve estar connosco mas acedi. Achei que se hoje melhorasse, amanhã e depois estaria com ela. Além do mais se pegar na escova de dentes parece que o mundo vai terminar comigo a tremelicar por falta de equilibrio e mobilidade, imaginar pegar num bebé de 8kg é dose... Fiquei com medo de não conseguir tomar conta dela ou pior - cair com ela ao colo - e então deixei-me de lamúrias e que o pai a levasse...

Nem meia hora depois de sairem de casa e estavam a regressar: escola fechada! E nem sabíamos ou sequer perguntáramos. 

Caraças! E agora???

Isto de sermos só os dois... 

E é aqui que ser-se mãe ou pai muda tudo, é aqui que se dá o milagre da Natureza. No preciso instante em que pensamos que não aguentamos mais... Aguentamos o dobro. O corpo reage e damos connosco a virar o jogo a nosso favor, a conseguir fazer tudo o que pensávamos impossível, a superar obstáculos.

E já lhe pego, já a deito, levanto do chão, do sofá, da cama, já dançámos, rebolámos, já pulou no meu colo, já lhe fiz o avião, já varri a casa e lavei louça, já estendi roupa debaixo deste sol abrasador (40º lá fora) e fiz camas. 

Se me dói?

Horrores!

Mas nem sinto!

(Imagem da Web)





segunda-feira, 12 de agosto de 2013

Dias de Agosto :)



Temos estado em modo *férias* :)






Dias marcados com a chegada da tão aguardada palavra: mamã ;)

Num momento de aflição teu, esticaste os bracinhos para mim enquanto dizias "mamã-mamã-mamã" para eu te pegar ao colo. 

Este momento ficará para sempre guardado no meu coração! Penso que nenhuma mãe esquece a primeira vez que um filho a trata por "mamã"... Não esquece não! 

Dás-nos as mãos e pões-te de pé com uma genica enorme e se for o caso e chegares às grades da cama, fá-lo sozinha :)

Tens tido terrores nocturnos o que nos deixa com o coração apertado. Demoras imenso a acordar e fazemos de tudo para te arrancar um sorriso para termos a certeza que estás bem. No fim deitamos-te no nosso meio e adormeces profundamente protegida do "papão" até de manhã. Se se pode tornar um hábito? Pode! Se vejo mal nisso? Nenhum. Venha de lá a primeira pessoa a protestar... Todos já fomos pequeninos e a noite parecia tão longa e medonha :S

Tens comido bem. Muito bem até!

E apesar dos teus 8kg e picos, bochechas e refegos não és aquele bebé que mal cabe na roupa de tão gordo. Nada disso! Nem eu queria!

Tens mamado muito menos e passam dias que mal tocas na maminha. O dia teria de chegar... Com grande pena minha.

Em compensação bebes o teu leitinho no biberão com muita vontade.

Adoras água!

Seja para beber, seja para tomar banho.

Bates palmas quando vais para a banheira. E choras se não brincares um bocadinho.

Vais no carrinho e "falas" a toda a gente. Sejam bebés, crianças ou adultos. 

Todos na rua acham piada à simpatia :)

E se alguém não te liga tu choras ou dás gritinhos para te fazeres ouvir indignada!

Passas muito tempo a brincar sentada mas tens de ter companhia.

Adoras carinhos e és uma mimada.

E nós não nos importamos nada!










sábado, 3 de agosto de 2013

8 meses :)



8 meses de um amor único!

-------------------------------------

E para celebrar bem deixaste-nos dormir até tarde.

Estás a preparar alguma, não estás???






quinta-feira, 1 de agosto de 2013

Dia Mundial da Amamentação :)


E nós por cá, apesar de já ser pouquinho, mantemos a tradição do miminho quando chegamos a casa e da noite antes de adormecer :)

Adoro, adoro, adoro!

E só de pensar que um destes dias acaba... Parte-se-me o coração!


(Imagem da Web)